Os Gases e a Cólica do bebê – por Dr. Carlos González

por Josie Zecchinelli em 25/04/2013

Os gases

Tanto os bebês como os adultos podem ter gases no estômago ou no intestino (sobretudo no intestino grosso). Mas são duas questões completamente diferentes. O gás encontrado no estômago é ar, ar normal e corrente que o indivíduo engoliu (é o que os médicos chamam aerofagia, engolir ar). Os bebês podem engolir ar ao se alimentar, ou ao chorar, também quando chupam dedo ou chupeta.

O gás que está no intestino é diferente, basta cheirá-lo para perceber. Contém nitrogênio do ar deglutido (o oxigênio foi absorvido pelo tubo digestivo) e gases que são produzidos no próprio intestino pela digestão de certos alimentos e que dão seu odor característico.

Quando um bebê engole muito ar, seria possível que soltasse muito “pum”, porém é mais fácil que o excesso saia por cima, com arrotos. Um excesso de gases no intestino é mais provável que seja proveniente da digestão que do ar deglutido. Quando o bebê não mama corretamente, porque está com a pega errada ou tem outra dificuldade, é possível que tome muita lactose e pouca gordura e a sobrecarga de lactose pode produzir um excesso de gases. Além disso, por estar com a pega errada, é provável que engula ar enquanto mama. Mas nem a pega incorreta é a principal causa dos gases, nem os gases são o principal sintoma da pega incorreta.

Os gases em excesso no intestino só podem ser eliminados sob a forma de “pum” . Por sorte, não podem fazer o caminho inverso e sair pela boca.

É mais fácil eliminar o ar do estômago (quer dizer, arrotar) em posição vertical que em posição horizontal. Como nossos antepassados estavam sempre no colo de suas mães, em posição mais ou menos vertical, não deviam ter muito problema. No século passado o uso das mamadeiras e dos berços ficou generalizado. Com a mamadeira, o bebê pode engolir muito ar, e no berço é difícil soltá-lo; por isso parecia importante colocar o bebê para arrotar antes de colocá-lo no berço.

Contudo, não parece que os gases incomodam os bebês, salvo em casos extremos. Muita gente pensa que a principal causa do choro em bebês pequenos seja os gases; e muitos dos medicamentos que ao longo do tempo se tem recomendado para a cólica do lactente se supunha que ajudavam a expulsá-los (esse é o significado da palavra carminativo), ou para evitar a formação de bolhas (nunca entendi o porquê, mas sim, algumas gotas para cólicas são antiespumantes).

Nem todos estão de acordo com a causa das cólicas (mais adiante explicarei minha teoria favorita), mas parece que não restam mais defensores sérios da teoria dos gases. Há muitos anos, quando não se sabia que o excesso de raio x era maléfico e se faziam radiografias por qualquer bobagem, alguém teve a idéia de fazer radiografias dos bebês que choravam (o gás é visto perfeitamente como uma grande mancha negra na radiografia). Comprovou-se que os bebês têm poucos gases quando começam a chorar, porém muitos gases quando levam um tempo chorando. O que ocorre é que engolem ar ao chorar, e como não podem chorar e arrotar ao mesmo tempo, vão acumulando gases até que param de chorar. A mãe costuma explicar assim: “Tadinho, estava chorando muito porque estava cheio de gases. Peguei, dei uns tapinhas, ele, conseguiu arrotar e melhorou”. Na realidade, a interpretação correta seria: “Tadinho, chorava porque estava com saudade de mim. Quando peguei ele no colo e fiz carinho, ele se tranquilizou e deu um arroto enorme com todo o ar que tinha engolido enquanto chorava”.

Acho que isso explica a importância do arroto no século passado. Quando a mãe tentava colocar o bebê no berço logo após acabar de mamar, o bebê chorava desesperado. Em vez disso, se ficasse com ele no colo e o embalasse um pouco antes de colocá-lo no berço, era mais fácil que o bebê se traquilizasse e dormisse. Durante esse tempo que estava nos braços, claro, o bebê arrotava. E como ninguém queria reconhecer que o colo da mãe era bom para o bebê (como vai ser bom? O colo da mãe é mau, estraga, o bebê não tem que ficar no colo, ou ficará manhoso!), preferiram pensar que era o arroto, e não a presença da mãe, que havia feito o milagre.

A verdade é que muitas mães modernas têm a ideia de que o arroto é importantíssimo, fundamental para a saúde e bem estar do seu filho. Tem que arrotar custe o que custar. Mas os bebês amamentados, se mamaram corretamente, não engolem quase nada de ar (os lábios se fecham hermeticamente sobre o peito, razão pelo qual o ar não entra; e dentro do peito não tem ar, ao contrário da mamadeira). Muitas vezes, os bebês de peito não arrotam depois de mamar. Por outro lado, quando estão com a pega errada, é possível que engulam ar, fazendo um barulho como de beijinhos, porque fica uma frestinha entre os lábios e o peito.

Uma vez uma mãe me explicou que seu filho custa a arrotar, que tem de ficar uma hora dando tapinhas nas costas, que ele chora, inclusive,de tão mal que fica, até que por fim pode eliminar os gases. Pobre criatura, o que acontece é que não tem gases para eliminar; chora de tantos tapinhas e voltas que dão com ele, e ao final elimina o ar que engoliu enquanto chorava.

Não fique obsessiva com o arroto. Depois de mamar, é uma boa ideia deixar o bebê por um tempo no colo. Isso ele vai gostar. Se nesse tempo eliminar os gases, está bem. E se não, pode ser que não tenha gases. Não lhe dê tapinhas nas costas, não lhe dê camomila, nem erva-doce, nem água, nem nenhum remédio para gases (nem natural nem artificial, nem alopático nem fitoterápico, nem comprado, nem o que tenha em casa).

A Cólica

Os bebês ocidentais costumam chorar bastante durante os primeiros meses, o que se conhece como cólica do lactente ou cólica do primeiro trimestre. Cólica é a contração espasmódica e dolorosa de uma víscera oca; há cólicas dos rins, da vesícula e do intestino. Como o lactente não é uma vesícula oca e o primeiro trimestre muito menos, o nome logo de cara não é muito feliz. Chamavam de cólica porque se acreditava que doía a barriga dos bebês; mas isso é impossível saber. A dor não se vê, tem de ser explicada pelo paciente. Quando perguntam a eles: “por que você está chorando?”, os bebês insistem em não responder; quando perguntam novamente anos depois, sempre dizem que não se lembram. Então ninguém sabe se está doendo a barriga, ou a cabeça, ou as costas, ou se é coceira na sola dos pés, ou se o barulho está incomodando, ou simplesmente se estão preocupados com alguma notícia que ouviram no rádio. Por isso, os livros modernos frequentemente evitam a palavra cólica e preferem chamar de choro excessivo na infância. É lógico pensar que nem todos os bebês choram pelo mesmo motivo; alguns talvez sintam dor na barriga, mas outro pode estar com fome, ou frio, ou calor, e outros (provavelmente a maioria) simplesmente precisam de colo.

Tipicamente, o choro acontece sobretudo à tarde, de seis às dez, a hora crítica. Às vezes de oito à meia-noite, às vezes de meia-noite às quatro, e alguns parecem que estão a postos vinte e quatro horas por dia. Costuma começar depois de duas ou três semanas de vida e costuma melhorar por volta dos três meses (mas nem sempre).

Quando a mãe amamenta e o bebê chora de tarde, sempre há alguma alma caridosa que diz: “Claro! De tarde seu leite acaba!”. Mas então, por que os bebês que tomam mamadeira têm cólicas? (a incidência de cólica parece ser a mesma entre os bebês amamentados e os que tomam mamadeira). Por acaso há alguma mãe que prepare uma mamadeira de 150 ml pela manhã e de tarde uma de 90 ml somente para incomodar e para fazer o bebê chorar? Claro que não! As mamadeiras são exatamente iguais, mas o bebê que de manhã dormia mais ou menos tranquilo, à tarde chora sem parar. Não é por fome.

“Então, por que minha filha passa a tarde toda pendurada no peito e por que vejo que meus peitos estão murchos?” Quando um bebê está chorando, a mãe que dá mamadeira pode fazer várias coisas: pegar no colo, embalar, cantar, fazer carinho, colocar a chupeta, dar a mamadeira, deixar chorar (não estou dizendo que seja conveniente ou recomendável deixar chorar, só digo que é uma das coisas que a mãe poderia fazer). A mãe que amamenta pode fazer todas essas coisas (incluindo dar uma mamadeira e deixar chorar), mas, além disso, pode fazer uma exclusiva: dar o peito. A maioria das mães descobrem que dar de mamar é a maneira mais fácil e rápida de acalmar o bebê (em casa chamamos o peito de anestesia), então dão de mamar várias vezes ao longo da tarde. Claro que o peito fica murcho, mas não por falta de leite, mas sim porque todo o leite está na barriga do bebê. O bebê não tem fome alguma, pelo contrário, está entupido de leite.

Se a mãe está feliz em dar de mamar o tempo todo e não sente dor no mamilo (se o bebê pede toda hora e doem os mamilos, é provável que a pega esteja errada), e se o bebê se acalma assim, não há inconveniente. Pode dar de mamar todas as vezes e todo o tempo que quiser. Pode deitar na cama e descansar enquanto o filho mama. Mas claro, se a mãe está cansada, desesperada, farta de tanto amamentar, e se o bebê está engordando bem, não há inconveniente que diga ao pai, à avó ou ao primeiro voluntário que aparecer: “pegue este bebê, leve para passear em outro cômodo ou na rua e volte daqui a duas horas”. Porque se um bebê que mama bem e engorda normalmente mama cinco vezes em duas horas e continua chorando, podemos ter razoavelmente a certeza de que não chora de fome (outra coisa seria um bebê que engorda muito pouco ou que não estava engordando nada até dois dias atrás e agora começa a se recuperar: talvez esse bebê necessite mamar muitíssimas vezes seguidas). E sim, se pedir para alguém levar o bebê para passear, aproveite para descansar e, se possível, dormir. Nada de lavar a louça ou colocar em dia a roupa para passar, pois não adiantaria nada.

Às vezes, acontece de a mãe estar desesperada por passar horas dando de mamar, colo, peito, colo e tudo de novo. Recebe seu marido como se fosse uma cavalaria: “por favor, faça algo com essa menina, pois estou ao ponto de ficar doida”. O papai pega o bebê no colo (não sem certa apreensão, devido às circunstâncias), a menina apoia a cabecinha sobre seu ombro e “plim” pega no sono. Há várias explicações possíveis para esse fenômeno. Dizem que nós homens temos os ombros mais largos, e que se pode dormir melhor neles. Como estava há duas horas dançando, é lógico que a bebê esteja bastante cansada. Talvez precisasse de uma mudança de ares, quer dizer, de colo (e muitas vezes acontece o contrário: o pai não sabe o que fazer e a mãe consegue tranquilizar o bebê em segundos).

Tenho a impressão (mas é somente uma teoria minha, não tenho nenhuma prova) de que em alguns casos o que ocorre é que o bebê também está farto de mamar. Não tem fome, mas não é capaz de repousar a cabeça sobre o ombro de sua mãe e dormir tranqüilo. É como se não conhecesse outra forma de se relacionar com sua mãe a não ser mamando. Talvez se sinta como nós quando nos oferecem nossa sobremesa favorita depois de uma opípara refeição. Não temos como recusar, mas passamos a tarde com indigestão. No colo da mamãe é uma dúvida permanente entre querer e poder; por outro lado, com papai, não há dúvida possível: não tem mamá, então é só dormir.

Minha teoria tem muitos pontos fracos, claro. Para começar, a maior parte dos bebês do mundo estão o dia todo no colo (ou carregados nas costas) de sua mãe e, em geral, descansam tranquilos e quase não choram. Mas talvez esses bebês conheçam uma outra forma de se relacionar com suas mães, sem necessidade de mamar. Em nossa cultura fazemos de tudo para deixar o bebê no berço várias horas por dia; talvez assim lhes passemos a idéia de que só podem estar com a mãe se for para mamar.

Porque o certo é que a cólica do lactente parece ser quase exclusiva da nossa cultura. Alguns a consideram uma doença da nossa civilização, a consequência de dar aos bebês menos contato físico do que necessitam. Em outras sociedades o conceito de cólica é desconhecido. Na Coreia, o Dr. Lee não encontrou nenhum caso de cólica entre 160 lactentes. Com um mês de idade, os bebês coreanos só passavam duas horas por dia sozinhos contra as dezesseis horas dos norteamericanos. Os bebês coreanos passavam o dobro do tempo no colo que os norteamericanos e suas mães atendiam praticamente sempre que choravam. As mães norteamericanas ignoravam deliberadamente o choro de seus filhos em quase a metade das vezes.

No Canadá, Hunziker e Barr demonstraram que se podia prevenir a cólica do lactente recomendando às mães que pegassem seus bebês no colo várias horas por dia. É muito boa idéia levar os bebês pendurados, como fazem a maior parte das mães do mundo. Hoje em dia é possível comprar vários modelos de carregadores de bebês nos quais ele pode ser levado confortavelmente em casa e na rua. Não corra para colocar o bebê no berço assim que ele adormecer; ele gosta de estar com a mamãe, mesmo quando está dormindo. Não espere que o bebê comece a chorar, com duas ou três semanas de vida, para pegá-lo no colo; pode acontecer de ter “passado do ponto” e nem no colo ele se acalmar. Os bebês necessitam de muito contato físico, muito colo, desde o nascimento. Não é conveniente estarem separados de sua mãe, e muito menos sozinhos em outro cômodo. Durante o dia, se o deixar dormindo um pouco em seu bercinho, é melhor que o bercinho esteja na sala; assim ambos (mãe e filho) se sentirão mais seguros e descansarão melhor.

A nossa sociedade custa muito a reconhecer que os bebês precisam de colo, contato, afeto; que precisam da mãe. É preferível qualquer outra explicação: a imaturidade do intestino, o sistema nervoso… Prefere-se pensar que o bebê está doente, que precisa de remédios. Há algumas décadas, as farmácias espanholas vendiam medicamentos para cólicas que continham barbitúricos (se fazia efeito, claro, o bebê caía duro). Outros preferem as ervas e chás, os remédios homeopáticos, as massagens. Todos os tratamentos de que tenho notícia têm algo em comum: tem de tocar no bebê para dá-lo. O bebê está no berço chorando; a mãe o pega no colo, dá camomila e o bebê se cala. Teria seacalmado mesmo sem camomila, com o peito, ou somente com o colo. Se, ao contrário, inventassem um aparelho eletrônico para administrar camomila, ativado pelo som do choro do bebê, uma microcâmera que filmasse o berço, um administrador que identificasse a boca aberta e controlasse uma seringa que lançasse um jato de camomila direto na boca… Acredita que o bebê se acalmaria desse modo? Não é a camomila, não é o remédio homeopático! É o colo da mãe que cura a cólica.

Taubman, um pediatra americano, demonstrou que umas simples instruções para a mãe (tabela 1) faziam desaparecer a cólica em menos de duas semanas. Os bebês cujas mães os atendiam, passaram de uma média de 2,6 horas ao dia de choro para somente 0,8 horas. Enquanto isso, os do grupo de controle, que eram deixados chorando, choravam cada vez mais: de 3,1 horas passaram a 3,8 horas. Quer dizer, os bebês não choram por gosto, mas porque alguma coisa está acontecendo. Se são deixados chorando, choram mais, se tentam consolá-los, choram menos (uma coisa tão lógica! Por que tanta gente se esforça em nos fazer acreditar justo no contrário?).

Tabela 1 – Instruções para tratar a cólica, segundo Taubman (Pediatrics 1984;74:998)
1- Tente não deixar nunca o bebê chorando.
2- Para descobrir por que seu filho está chorando, tenha em conta as seguintes possibilidades:
a- O bebê tem fome e quer mamar.
b- O bebê quer sugar, mesmo sem fome.
c- O bebê quer colo.
d- O bebê está entediado e quer distração.
e- O bebê está cansado e quer dormir.
3- Se continuar chorando durante mais de cinco minutos com uma opção, tente com outra.
4- Decida você mesma em qual ordem testará as opções anteriores.
5- Não tenha medo de superalimentar seu filho. Isso não vai acontecer.
6- Não tenha medo de estragar seu filho. Isso também não vai acontecer.

No grupo de controle, as instruções eram: quando o bebê chorar e você não souber o que está acontecendo, deixe-o no berço e saia do quarto. Se após vinte minutos ele continuar chorando, torne a entrar, verifique (um minuto) que não há nada, e volte a sair do quarto. Se após vinte minutos ele continuar chorando etc. Se após três horas ele continuar chorando, alimente-o e recomece.

As duas últimas instruções do Dr. Taubman me parecem especialmente importantes: é impossível superalimentar um bebê por oferecer-lhe muita comida (que o digam as mães que tentam enfiar a papinha em um bebê que não quer comer); e é impossível estragar um bebê dando-lhe muita atenção. Estragar significa prejudicá-lo. Estragar uma criança é bater nela, insultá-la, ridicularizá-la, ignorar seu choro. Contrariamente, dar atenção, dar colo, acariciá-la, consolá-la, falar com ela, beijá-la, sorrir para ela são e sempre foram uma maneira de criá-la bem, não de estragá-la.

Não existe nenhuma doença mental causada por um excesso de colo, de carinho, de afagos… Não há ninguém na prisão, ou no hospício, porque recebeu colo demais , ou porque cantaram canções de ninar demais para ele, ou porque os pais deixaram que dormisse com eles. Por outro lado, há, sim, pessoas na prisão ou no hospício porque não tiveram pais, ou porque foram maltratados, abandonados ou desprezados pelos pais. E, contudo, a prevenção dessa doença mental imaginária, o estrago infantil crônico , parece ser a maior preocupação de nossa sociedade. E se não, amiga leitora, relembre e compare: quantas pessoas, desde que você ficou grávida, avisaram da importância de colocar protetores de tomada, de guardar em lugar seguro os produtos tóxicos, de usar uma cadeirinha de segurança no carro ou de vacinar seu filho contra o tétano? Quantas pessoas, por outro lado, avisaram para você não dar muito colo, não colocar para dormir na sua cama, não acostumar mal o bebê?

Lee K. The crying pattern of Korean infants and related factors. Dev Med Child Neurol. 1994; 36:601-7
Hunziker UA, Barr RG. Increased carrying reduces infant crying: a randomized controlled trial. Pediatrics 1986;77:641-8
Taubnan B. Clinical trial of treatment of colic by modification of parent-infant interaction. Pediatrics 1984;74:998-1003

Do livro Un regalo para toda la vida- Guía de la lactancia materna, Carlos González

Tradução: Fernanda Mainier
Revisão: Luciana Freitas

Retirado do grupo do facebook:  Soluções para Noites sem choro

Veja também:

34 comentários

  1. maria emilia disse:

    Fui criada na base do “muito colo estraga a criança” e do “mamar só de 3 em 3 horas”. Mas minha mãe afirma que eu queria colo e queria mamae de 2 em 2 horas. Meu filho, por sua vez, mamava a cada hora e meia, dia e noite(1), no primeiro ano de vida. Não era nem um pouco gordo, sequer gorducho. Como eu trabalhava fora, em outra cidade, ele teve vários e muitos colos – sempre. Cresceu muito forte e saudável. MAS… como fazemos se temos que trabalhar fora, normalmente não temos maridos (pais) disponíveis para amamentar/dar o colo necessário aos nossos bebês? É uma opção trabalhar ou ter filhos?? Sim, porque nessa teoria, da qual eu compartilho, por sinal, não cabe a máxima atual de que “não importa a quantidade, mas a qualidade do tempo que passamos com nosso filho” – e isso começa ao acabar a licença maternidade!

    Avalie:   Positivo 41 Negativo 15

  2. viviane disse:

    Noooooooooossa minha bebe esta com 4 meses teve “colicas” ate um dia desses se e q era “colica” mesmo se eu tivesse lido este artigo antes talves fosse tudo diferente ela ainda sente um pouco mais mto pouco mesmo de “colicas” n sei se da tempo mais vou seguir as dicas adooooooorei. ela começou a sentir “colicas” com uns 5 dias começei a dar chas p ela com 2 meses , ela fez 4 meses ontem e uma bolinha a minha filha mais velha hj com 9 anos tbm teve a tais “colicas” mais em fim n acredito e nem desacredito nessa teoria mais vou seguilas…. Bjs p minhas bbs mikaelly e lorena

    Debate quente! O que você acha?   Positivo 16 Negativo 13

  3. Daise Silva disse:

    Tenho dois filhos, um de 1 e 7 meses e outro de 3.Nenhum dos dois tiveram cólicas. Fiz tudo que o Dr.Gonzales indica, mas sem saber. Eles mamavam sempre que queriam, nem marcava os horários, e durante o dia dormiam no carrinho onde eu estivesse, sem contar que o mais velho dormiu ao meu lado até quase dois anos e mais novo até um ano. São duas crianças calmas e amáveis.

    Avalie:   Positivo 16 Negativo 4

  4. Veronica Bochio disse:

    Contato físico da mãe com o bebê é tudo mesmo! Nós é que somos egoístas e achamos que estamos exagerando porque temos um milhão de coisas para fazer. O contato físico traz segurança ao um ser que passou tantos meses aconchegado dentro da mãe antes de nascer. Este é um momento mágico que passa muito rápido! Temos que aproveitá-lo ao máximo….

    Avalie:   Positivo 16 Negativo 2

  5. Angela Moraes disse:

    Parabéns pela matéria! Muito boa, esclarecedora e até engraçada em alguns pontos, não tem como se identificar!
    Mas, na verdade, estava procurando algo que me ajudasse a ajudar meu sobrinho que tem Paralisia Cerebral. Ele engole muito ar e sofre muito com os desconfortos. Se puder me indicar algum site que trata do assunto eu agradeço. Muito obrigada.

    Avalie:   Positivo 21 Negativo 11

  6. Rosthand Loures disse:

    Comentário escondido por baixa avaliação. Clique para ler.

    Comentário ruim? Avalie!   Positivo 32 Negativo 35

  7. Ana Paula Zandonadi disse:

    Nossa… caí por acaso no artigo e só depois de ler todo o texto e achar super bacana é que percebi estar no seu site! Adorei sua matéria e fiquei muito interessada em ler o livro do Gonzalez. Há publicação em português? Parabens pelo conteúdo… eu e o pequeno Léo aproveitaremos estas reflexões!

    Avalie:   Positivo 4 Negativo 2

  8. Itila Miranda disse:

    Há, não sei… minha filha st c 2 meses e 22 dias, mama sempre q quer, fica muuuiito no colo e tem cólicas, muitos gases. acho q não concordo c a teoria

    Avalie:   Positivo 34 Negativo 15

  9. Fátima disse:

    Ainda hoje uma amiga me disse:” não fica muito com a bebê no colo ela vai ficar mal acostumada”
    e eu respondi: vou ficar sim, bastante, vou mimar todo o tempo que eu puder. Afinal, eles crescem e criam asas…
    Adorei o texto, pois realmente, amor, carinho, atenção, jamais podem estragar alguém.
    Parabéns pelo conteúdo. Tal orientação devia chegar a todas as mães.

    Avalie:   Positivo 16 Negativo 3

  10. Carolina Rampini disse:

    Parabéns!!! Eu sou ocidental e descobrir que penso como tal.. Normal!Amei o artigo e concordo. Já estou mudando de práticas.
    Abraçosss

    Debate quente! O que você acha?   Positivo 5 Negativo 3

  11. Vanessa disse:

    Eu estava na internet exatamente buscando por uma matéria que dissesse que bebês nao precisam passar por esse ritual do arroto e encontrei esse site. É ler tudo aquilo que eu já desconfiava! Meu filho nunca teve “cólicas”.

    Avalie:   Positivo 4 Negativo 2

  12. Danielle disse:

    Um tanto atrasada, mas não posso deixar de comentar esse texto maravilhoso. Meu filhote tem 23 dias e durante toda a minha gestação diversos mitos eu derrubei diante dos meus olhos por simplesmente buscar informação. E a tal história da cólica do bebê ainda me incomodava. Meu instinto materno até agora não falhou, nunca deixo meu filho chorar, e sempre que vejo um choramingo e vou atender acabo percebendo que é por um real motivo, fraldinha suja, fome, e realmente em alguns momentos ele quer só um colinho pra conseguir mimir. Só o amor é capaz de transformar nossa sociedade. Penso que deixar o filho chorar pra ele ir se acostumando com esse mundo cruel é ser mais cruel ainda. Se um bebezinho não recebe todo amor necessário nessa fase da vida em que ele é tão lindo e fofinho, quando é que vai receber???

    Avalie:   Positivo 26 Negativo 4

  13. lara vitoria disse:

    valeu me ajudou muito

    Avalie:   Positivo 3 Negativo 1

  14. milene disse:

    Amei! Mto bom. Ja cansei d ouvi ” vc vai colocar essa menina no mal costume” ela vai ficar manhosa d tanto colo” e eu por n ter lido isso antes acabei por alguns momentos dxando minha filha chorar, mais dentro d mim eu sabia q estava errada. Agora eu tenho resposta pra da qna alguem vinher me criticar.

    Debate quente! O que você acha?   Positivo 4 Negativo 4

  15. Nazaré Laranjeira disse:

    Nossa estou fazendo quase tudo!!! Minha filha tem quase 2meses e sentia uitas cólicas mas, agora diminui um pouco e realmente no colo da mamãe ela se acalma e para de chorar. Acaba dormindo. Ótimas dicas adorei.

    Avalie:   Positivo 2 Negativo 0

  16. Joana Breves disse:

    Dr. Muito obrigada pelo artigo; sou mãe do João Pedro hoje com 25 dias, meu filho é meu maior troféu presente de Deus, e muitas das coisas que foi falada no artigo eu prático todos os dias, meu filho dorme comigo em minha cama bem agarradinhos, mama bastante, as vezes acorda de madrugada e fica conversando até eu acordar para continuarmos a conversa…rsrsrsrs….posso afirma-lo que ouço quase todos os dias de que irei acostuma-lo mal por dormir comigo ou por ele mal chorar e eu ja pega-lo no colo, não me importo com que falam pois sonhei muito com esse bb e sei que tudo isso passa então prefiro aproveitar e curtir cada minutinho juntinho dele porque mais tarde ele será uma criança e depois adolescente, jovem e adulto, e quando adulto ganha azas e voa….Que todas as mães possam curtir cada segundinho junto de seus bbs pois é coisa mais maravilhosa que podemos fazer é Amá-los muito e cuidarmos com toda dedicação e sabedoria possivel. Um grande abraço!

    Avalie:   Positivo 11 Negativo 0

  17. Fernanda Cavalaro disse:

    Sou mãe de primeira viagem e todos falaram pra eu não dar colo, ainda mais que sou advogada e não posso parar de trabalhar! Eu ignorei tudo e sempre fui adepta à livre demanda com direito a soneca no meu colo e muito mais! Levo ela ao escritório junto comigo! Minha filha está com 2 meses e 10 dias e nunca teve cólica! É uma criança segura e eu já compreendo o que significa cada choro dela. Não me arrependo de dar todo carinho e colinho que ela precisa! E para minha surpresa ela está até gostando de ficar no bercinho! Dorme das 22h as 5h da manhã!!! Parece que nossa relação é fundada na sintonia que criamos! Se eu tiver mais filhos vou seguir novamente meu coração e enche-los de amor e muito colo!

    Avalie:   Positivo 10 Negativo 2

    • Beatriz Borges disse:

      Vou fazer o possível para seguir essas dicas, pois está muito dificil essas “cólicas” do meu bebê, que está com 26 dias hoje.

      Avalie:   Positivo 1 Negativo 1

    • Beatriz Borges disse:

      Fernanda, como vc conseguiu conciliar o trabalho com os cuidados com seu bebê?Pra mim está sendo bem complicado, pois faço faculdade de direito e preciso passar várias horas estudando.

      Avalie:   Positivo 1 Negativo 3

  18. Fabiana disse:

    Gostei muito! Minha bebê está com 4 meses e vive no colo, eu sempre segui meu coração e nunca deixei ela chorando sozinha! Todo mundo, inclusive o pediatra dela falam que estou estragando minha filha, mas eu ignoro e assumo o risco. Agora que li seu artigo fiquei mais segura com a minha decisão de me doar totalmente ao amor da minha vida!

    Avalie:   Positivo 2 Negativo 0

  19. Márcia disse:

    Ameiii esse texto
    Eh exatamente oq penso

    Avalie:   Positivo 1 Negativo 0

  20. natalia disse:

    Nossa adorei o texto, perfeito é realmente o que penso da qui pra frente não vou pensar duas vezes antes de dar um colinho para o Pedro.

    Avalie:   Positivo 2 Negativo 0

  21. Fabiana disse:

    Nossa … muito bom este artigo , mesmo que muitos digam o contrario eu adoro dar colinho pro meu bebê,hoje ele tem 3 meses e 20 dias , ainda não dorme bem de noite … mais nós chegaremos lá

    Avalie:   Positivo 1 Negativo 2

  22. Nossa perfeito!!! Como acredito que nada acontece ao acaso, não foi por acaso que parei nesse site…
    Era tudo que eu precisava ler, atéme emocionei, pois afirmei a gestação toda que faria assim.
    E sabia tbm que a pressão seria forte, por minha filhs set a primeira neta de ambos os lados e minha sogra ser super controladora e possesiva.
    Mas na prática estava quase me rendendo as opiniões dos “falam muito”…
    Bom enfim ler esse artigo era tudo que eu preciva!!!
    Gratidão com toda força do coração

    Ps: minha Larah tá aqui no meu colinho com uma expressão super serena :)

    Avalie:   Positivo 0 Negativo 0

  23. carolina disse:

    Perfeito!

    Sinto-me muito bem,quando carrego o meu pequeno e pecebo o quanto que ele se sente bem.Acho que um chamego,uma canção,uma andada pela casa,faz com que se sintam seguros e acolhidos. Percebo no texto,que situação parecida, acontece ns hora do banho,chora quando já despido lhe tiro do trocador,mas o choro logo passa,quando lhe acolho no colo,aí sim,o banho se torna prazeroso e confiante. Lindo o texto.parabéns!

    Avalie:   Positivo 4 Negativo 2

  24. camila disse:

    Bom msm muito atrasada,ou talvez não já q minha bebe esta com 16 dias hj. Ontem ela chorou muito troquei a fralda dei mama fiz carinho deixei no colo e ela não parava de chorar perdi a paciência entreguei ela ao pai, e ela dormiu eu não tava acreditando no que via mas amei as dicas. Minha bebe só dorme tranquila em cima da minha barriga ,todos me criticam mas eu gosto e ela também então q se danem os outros

    Avalie:   Positivo 0 Negativo 0

  25. jessiane disse:

    Lindo texto já o le por duas vezes e comprovo que realmente o colo resolve em muitas situações eu mesma até hj me sinto tão bem quando deito na cama pertinho da minha mamãe quero passar bastante carinho pra minha bebê obrigado pelo texto Parabéns

    Avalie:   Positivo 0 Negativo 0

  26. Bruno disse:

    Adorei o conteúdo e a forma da abordagem, como pai de primeira viagem, mudou completamente a forma de ver as coisas além de me emocionar profundamente. parabéns!!

    Avalie:   Positivo 0 Negativo 0

  27. Elcio Rosas disse:

    O texto me fez pensar muito. Na verdade, fez eu e minha esposa pensar muito. Muita coisa no texto pode não ter uma base científica, mas tem muita experiência empírica. A ciência não é “deus”. As inúmeras experiências, positivas ou negativas, auxiliam e conduzem a possibilidade de uma verificação. As palavras do texto são profundas. Invadiram as profundidades da minha alma e a fizeram ressignificar muitas inverdades provenientes racionalidade científica.

    Avalie:   Positivo 1 Negativo 0

  28. eridiane ramos disse:

    muito bommmmmmm extremamente esclarecedor maravilhoso faz muitas mães pararem e repensarem como estão agindo com seus filhinhos AMEIIIIIIIIIIIII

    Avalie:   Positivo 0 Negativo 0

  29. Anna disse:

    O problema não é que o colo estrague a criança, mas alguns pais não conseguem ficar sãos com tanto contato físico…eu por exemplo, não consigo. É algo além de mim, se estou muito tempo colada a alguém começo a entrar em profundo stress. Esforcei-me por amamentar em exclusivo, e consegui, mas só consegui impondo um horário pq ao tentar a livre demanda só visualizava como seria bom ir para o aeroporto e sumir no mundo no primeiro avião!!! Ou, mais realisticamente, desistir e comprar LA e dar liberdade para qualquer pessoa que quisesse segurar no bebe e no biberão. Por isso o problema de dar colo não é do bebé, mas sim de cada um de nós e nossos limites. Por isso, por aqui, a solução foi ir mudando de colo. Eu dava por 1h e depois ficava 2h sem pegar-lhe, entretanto meu marido ou meus pais ficavam com ela. Aos 2 meses, com muita pena minha, cheguei ao meu limite no pegar ao colo para adormecer e tive que seguir algumas tácticas mais rígidas, no entanto estive sempre do lado dela, mas so unidas pela mao pq eu estava msm entrando em depressão. Com o segundo baby q ai vem não sei bem como irei fazer, queria tentar andar com ele no sling e assim mas esta minha necessidade de não ter ngn colado a mim pode novamente ser mais forte :( E não, não sou traumatizada e sempre tive mt mimo e colinho de todos quando criança

    Avalie:   Positivo 2 Negativo 1

  30. Adriana Franzin disse:

    Muito esclarecedor. Gratidão, Dr. González

    Avalie:   Positivo 0 Negativo 0

  31. Simone disse:

    Nossa.. Gostei muito do artigo.. Tenho ido na contra mão daquilo que é ensinado. Sempre esqueço de colocar minha bebê para arrotar.. Principalmente à noite!! Mas nunca vi problema nisso.. Mas confesso que me sintia culpada!
    E qd eu a entregava p meu marido ela chorando e de repente o choro parava e ela dormia.. Nooossa.. Já fui até p banheiro chorar me sentindo a pior das mães.
    Só preciso “matutar” ainda sobre sua definição de cólica pq agora c 4 meses as coisas estão melhores mas ela chorava muitooooooo!!!

    Avalie:   Positivo 0 Negativo 0

  32. Mamae Feliz disse:

    Olá, achei esse site procurando por bebe que chora muito. É meu segundo filho, a primeira teve “gases ocidentais tb”, apos ler essa postagem suponho que com 3-4 mese em media os bebes se acostumam ou n querem mais tanto o colo. 9 meses grudado com vc porque agora exigir deles o berço e o afastamento? Eu segui as regras ocidentais erradas com a minha primeira filha e o resultado é que ela só me via como uma xicara de leite, uma maquina que alimentava e trocava fraldas, o carinho ela dava a avó, quem me dizia ” não acostuma no colo” mas que como não aguentava o choro da neta pegava ela no colo e ainda arrematava ” ai ela so acalma com a vovó” graças a Deus li essa postagem que esclareceu tudo e salvou minha vida, agora com meu filho de 2 meses será diferente, e tentarei recuperar minha filha de ainda 2 anos.

    Avalie:   Positivo 0 Negativo 0

A sua opinião conta muito.

Participe! Deixe um comentário nesta página: